Um novo ciclo na vida de uma criança começa quando são introduzidas as primeiras papas de bebé. É nos primeiros meses de vida que a alimentação deve ser um foco de atenção. Aquilo que uma criança ingere tem um peso fundamental no seu bom crescimento e desenvolvimento. 

 

Nos primeiros 6 meses de vida a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o aleitamento materno exclusivo, nos casos em que tal é possível. A partir daí, inicia-se a diversificação alimentar, com a introdução de novos alimentos e sabores. Com o estômago, o intestino e os rins suficientemente desenvolvidos, o bebé consegue lidar com a deglutição e a digestão dos alimentos. Surgem assim as primeiras papas, as primeiras sopas, os primeiros alimentos, os primeiros sabores. 

 

O que são papas de bebé?

 

As papas de bebé correspondem a um alimento mais ou menos espesso, confecionado geralmente com farinha, leite e outros ingredientes que assegura todas as necessidades nutricionais. 

 

Respeitar o ritmo do bebé é fundamental nesta fase de transição. Os primeiros alimentos a introduzir são o creme de legumes ou a papa de cereais sem glúten. Estas papas devem ser incluídas numa refeição como o almoço, sendo que as restantes refeições devem continuar a ser o leite materno ou o leite de transição. 

 

Tipos de papas de bebé

 

Quando olha para o rótulo de qualquer embalagem de papa de bebé há duas informações que saltam à vista: láctea ou não láctea e com ou sem glúten. Mas, o que significam estes dados? 

 

Uma papa láctea contém proteínas lácteas na sua composição. Uma vez que não necessitam de adição de proteínas, devem ser preparadas com água fervida. Como sugestão temos a papa láctea Nutribén multicereais, mel e bolacha maria.

 

As papas não-lácteas não são compostas por leite e, como tal, devem ser feitas com o leite que o bebé consome habitualmente, inclusivamente o leite materno se for o caso. Indicada a partir dos 4 meses de idade, a papa não-láctea Nutribén Creme de Arroz é perfeita para a introdução dos primeiros cereais na alimentação do bebé. 

 

As papas com glúten são produzidas a partir de mistura de cereais e são mais indicadas a partir dos 6 a 7 meses de idade. A título de exemplo, conheça a Nutribén Farinhas 8 Cereais e Mel

 

Por outro lado, as papas sem glúten são feitas a partir de milho e arroz (cereais sem glúten) ou com frutos. São normalmente as primeiras papinhas a dar ao bebé, uma vez que o glúten não deve ser introduzido antes dos 4 meses. A papa Nestlé Expert Sinlac, caracterizada por não ter leite, lactose ou glúten, é um bom exemplo disponível na nossa loja.

 

Quais os fatores a ter em conta na escolha das papas de bebé?

 

O seu bebé chegou à fase de diversificação alimentar e está a ser um verdadeiro quebra-cabeças? Por um lado, as papas caseiras podem ser variadas e adequadas ao gosto do bebé, mas as papas disponíveis no mercado são a garantia de que a criança ingere os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. 

 

Perante uma oferta de papas infantis cada vez maior, é importante saber como escolher o produto mais indicado. A análise cuidada dos rótulos é fundamental. Para isso, tenha sempre em mente cinco palavras-chave: açúcar, sal, nutrientes e sabor

 

  1. Excesso de açúcar

Deve escolher papas sem açúcares adicionados. No entanto, é importante ter atenção às várias denominações de açúcar que podem estar presentes na lista de ingredientes: sacarose, glucose, glicose, dextrose, frutose, maltose, lactose, maltodextrinas, melaço, mel, açúcar mascavado, açúcar de cana ou xaropes, são formas “camufladas” de incorporar açúcar nas papas de bebé que devem ser evitadas. Se escolher uma papa com açúcar, a quantidade deve ser inferior a 20% do total de calorias. 

 

  1. Presença de sal

Idealmente deve escolher produtos cuja composição não tenha sal. Se tal não for possível, opte por papas cujo valor de sal seja inferior a 0,3 gramas por 100 gramas de produto, uma vez que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o consumo de sal por dia de uma criança até aos 12 meses seja inferior a 1 grama. Por vezes o sal surge nos rótulos com designações menos conhecidas, como glutamato monossódico (E621) ou fosfato de sódio. 

 

  1. Nutrientes fundamentais

Tendo em conta que a papinha de bebé tem como função fornecer à criança os nutrientes necessários ao seu crescimento, é muito importante analisar a composição nutricional da papa. Esta deve ser o mais equilibrada e variada possível. Inicialmente o bebé deve consumir uma papa à base de cereais e sem aromas e à medida que vai descobrindo novos alimentos devem ser introduzidas na alimentação frutas e vegetais. É importante que a papa seja constituída por hidratos de carbono, proteínas, vitaminas A, B, C, E  e PP, iões e minerais, como cálcio, ferro, fósforo e potássio. 

 

  1. Sabor

As primeiras papas do seu bebé não devem ter um aroma específico e, por isso, devem ser apenas de cereais. Após a inclusão da sopa, pode começar a dar papas de fruta. Deve escolher sabores suaves e naturais de frutas com menor risco de reações adversas, como pêra, banana e maçã. 

 

Uma boa nutrição infantil é o primeiro passo para garantir o crescimento adequado e uma vida mais saudável. 

 

As evidências científicas não demonstram que exista uma fórmula mágica que satisfaça o seu bebé. Compreenda as suas necessidades, aquilo que ele lhe transmite e respeite o ritmo da criança. Leia os rótulos e aconselhe-se com o seu pediatra ou com um especialista.

 

Continua com dúvidas sobre a escolha da papa mais indicada para o seu bebé? Entre em contacto com nossa equipa. 


Garantimos que temos os melhores profissionais para esclarecer as suas dúvidas e questões e podemos auxilia-lo na seleção de uma papa de bebé. Temos ao seu dispor uma vasta secção orientada para a alimentação infantil e especialmente para as papas de bebé. Além disso, apesar de estar localizada em Braga, a nossa farmácia faz envios para todo o país (incluindo ilhas) em apenas 2 dias úteis.